08
Qui, Dez

Livre de quaisquer ligações ao Estado.

Os fundadores das Igrejas Evangélicas Livres na Europa - França - onde iniciou, e Alemanha, renunciaram a quaisquer prerrogativas para não dar ao Estado o direito de intervenção nos assuntos internos da igreja. No Brasil, não temos, "Igreja de Estado". Interpretamos, por isso, a palavra "Livre", em nosso nome, como "Livre de quaisquer ligações a organizações seculares ou eclesiásticas".

 

Livre, no sentido de autonomia e de expressão de cada igreja.

Refere-se à liberdade de cada igreja na forma de expressão. Ser "Livre", nesse sentido, não exclui naturalmente a filiação e interligação através de uma convenção de Igrejas Evangélicas Livres, primeiramente no Brasil e depois em âmbito internacional. A consideração fraternal e participação com outras igrejas Evangélicas Livres, e ainda, com igrejas de outras denominações são algo de grande importância para a grande família Evangélica Livre.

 

Livre da condenação eterna por meio da fé em Jesus Cristo.

Se o Filho (Jesus) vos libertar, verdadeiramente sereis livres (João 8:36). Quem é chamado à liberdade, não deve fazer-se escravo dos homens, nem de qualquer sistema religioso. A Bíblia ensina: "Onde está o Espírito do Senhor aí há liberdade" (II Coríntios 3:17). Fazendo naturalmente uma grande diferença entre liberdade da escravidão do mundo das trevas, do pecado, e a libertinagem condenada por Deus e obviamente pela Igreja Evangélica Livre.

 

Dissemos que somos "Livres" contanto que permaneçamos dependendo de Jesus Cristo, e enquanto a nossa fé for realmente de obediência à vontade d'Ele.

As Igrejas Evangélicas Livres têm certas formas de expressão, porém elas não são uniformes.
Seus membros não são "padronizados", não são sujeitos a qualquer lei canônica, não têm uma visão limitada através de uma interpretação particular das Escrituras Sagradas. Conforme a opinião dos fundadores das Igrejas Evangélicas Livres, a porta da igreja deve ser tão larga, que qualquer fiel possa entrar. Esta atitude possibilita ao Espírito Santo liberdade de operação e garante para cada membro individualmente liberdade de desenvolvimento espiritual.

  • Compõe as Igrejas Evangélicas Livres pessoas regeneradas por Jesus Cristo, e que vivem debaixo do seu Senhorio.
  • A Bíblia, a Palavra de Deus, é a única fonte e base para os Princípios que regem a vida espiritual, a vida de fé e prática das Igrejas Evangélicas Livres.
  • As condições para uma pessoa tornar-se membro de uma Igreja Evangélica Livre são: a fé pessoal em Jesus Cristo, o Filho de Deus, como único Salvador e Senhor, e um testemunho prático de vida cristã, nos moldes do Novo testamento.
  • As Igrejas Evangélicas Livres são comunidades, destinadas a viver e praticar os mandamentos e as ordenanças que o Senhor determinou à sua Igreja.
  • As Igrejas Evangélicas Livres constituem uma parte da Igreja universal que professa a fé viva na pessoa de Senhor Jesus Cristo.
  • Conforme a Bíblia, o batismo é o testemunho da união do crente com Cristo, na semelhança da sua morte, como também de sua ressurreição (Romanos 6:3-4). Praticamos o batismo do Cristianismo primitivo, por imersão na água, após o batizando ter feito publico a sua profissão de fé.
  • A Ceia do Senhor é uma ordenança de Cristo para os seus discípulos (I Coríntios 11:23-29); por isso a Igreja, em culto de louvor e adoração, celebra a Ceia do Senhor com espírito de humildade submissão ao Supremo Senhor da Igreja, e em plena e perfeita comunhão entre seus membros, conforme I Coríntios 10:16-17. Podem participar da Ceia do Senhor os visitantes, não membros da Igreja local, que pertencem ao Corpo de Cristo através do novo nascimento, conforme João 3:5, e atendam as condições do parágrafo anterior.
  • A Igreja participa conscientemente do desejo dos pais de consagrar seus filhos ao Senhor, desde a mais tenra idade, não os tornando, porém, membros da Igreja através deste ato.
  • As Igrejas Evangélicas Livres não se identificam com sociedades secretas e nem delas tomam parte.

I - Da Bíblia Sagrada (Bibliologia)
Cremos que as Escrituras Sagradas do Antigo e do Novo Testamento são plenamente inspiradas por Deus e infalíveis no original. Que elas foram escritas por homens inspirados pelo Espírito Santo, que usou as personalidades destes para compor e registrar a revelação única e concreta de Deus. Cremos que as Escrituras Sagradas constituem a única e suprema Regra de Fé e Prática para os cristãos. (Mt 5:17,18; 24:35; Jo 10:35; 17:17; *II Tm 3:16-27; *II Pe 1:20,21).

II - De Deus (Teologia ...)
Confessamos um só Deus, infinito, pessoal e verdadeiro, criador e Senhor de tudo o que existe, onipotente, onisciente, onipresente, imutável, santo, benigno e misericordioso. Este único Deus existe eternamente em três pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Por isso, reconhecemos diversidade na Sua unidade e unidade na sua diversidade … três pessoas em uma essência(natureza). (Gn 1:1,2,27; Sl139; Is 9:6; *48:16; Mt 28:19; II Co 13:13; Tg 1:17).

III - De Jesus Cristo (Cristologia)
Confessamos que Jesus Cristo é eternamente o Filho unigênito de Deus, e que, sendo Deus, é da mesma essência(natureza), poder e glória do Pai. Ele foi concebido sobrenaturalmente pelo Espírito Santo e nasceu da virgem Maria, possuindo assim duas naturezas, sendo verdadeiramente divino e humano. Como Deus-homem, ele é tanto o exemplo a ser seguido em sua humanidade, quanto o Deus a ser adorado em sua divindade. Na sua morte expiatória na cruz, sendo plenamente homem, Jesus Cristo morreu em nosso lugar, pagando o salário dos pecados de todos os que nEle crêem, e sendo Deus, sua morte tem valor infinito para os mesmos. Cremos, também na ressurreição corporal de Jesus, sendo visto por mais de quinhentas pessoas. Ele ascendeu aos céus e está à destra de Deus, agindo como nosso intercessor e advogado, sendo o único Mediador entre Deus e os homens. (Lc 1:35; *Jo 1:1-4,14,18; 10:30; 14:6; 20:28; At 2:30-33; *I Co 15:1-5; I Tm 2:5; Hb 1 e 2; I Jo 2:1).

IV - Do Espírito Santo (Pneumatologia)
Confessamos que a pessoa do Espírito Santo é da mesma essência(natureza), poder e glória do Pai e do Filho, e que, sendo Deus, executa a vontade de Deus Pai na terra. Desse modo, o Espírito é agente na criação do universo, na inspiração da Bíblia, na consciência do homem e no testemunho da verdade divina… convencendo o mundo do pecado, da justiça e do juízo. Quanto à regeneração e santificação do indivíduo, o Espírito Santo batiza todo cristão no Corpo de Cristo, passando a habitá-lo, selando, guiando e ensinando o convertido, distribuindo dons espirituais. Quanto aos dons de profecia, cura e línguas, não os negamos, mas insistimos na cautela e estrita obediência às exigências neo-testamentárias com respeito à sua prática. Toda obra do Espírito Santo exalta a pessoa de Jesus Cristo. (Jo 3:8; *14:16,17,26; *16:7-11; At 5:3,4; *I Co 12:13; Ef 1:13,14; 5:18; Tt 3:5).

V - Do Homem (Antropologia)
Cremos que o homem foi criado à imagem de Deus, isto é, de forma pessoal, finito, perfeito e imortal. Adão e Eva foram pessoas históricas, criadas sem defeito por ato miraculoso, sendo assim os pais de todos os seres humanos. Por isto, todos os homens possuem os mesmos primeiros pais, sendo ontologicamente iguais, independente de sua ascendência, nível social, cor ou nacionalidade. (*Gn 1:26-28; *2:18-24; 3:20; Dt 10:17; Lc 3:38; Tg 3:9).

VI - Do Pecado (Hamartiologia)
Cremos que, por causa da desobediência de Adão, o pecado entrou na raça humana tornando todo homem um pecador, em estado de inimizade contra Deus. Reconhecemos que o homem é incapaz de agradar a Deus ou merecer de algum modo sua salvação. Esta rebeldia fundamental entre o homem e seu Criador também se manifesta nos níveis psicosomático, familiar, sociológico e ecológico. (*Gn 3:1-7; *Rm 1:18-23; 3:23; 6:23; Ef 2:1-5; 4:17-19; Tt 3:3).

VII - Da Salvação (Soteriologia)
>>> arrependimento, justificação e santificação
Cremos que o perdão dos pecados e a reconciliação com o Criador constituem o dom gratuito de Deus, podendo ser apropriado somente através da fé em Jesus Cristo como Deus e substituto pessoal pelo castigo dos nossos pecados. Confessamos que Cristo morreu pelos pecados de todos os homens, propiciando assim a reconciliação entre Deus e os homens. Esta salvação realiza-se somente através da fé individual em Jesus Cristo, como Salvador e Senhor. A rejeição da salvação em Cristo faz com que o homem permaneça sob a ira de Deus. Sendo salvo, o ser humano é remido, justificado, reconciliado, feito filho de Deus, herdeiro da vida eterna, membro do Corpo de Cristo e santuário do Espírito Santo, devendo viver digno desta posição em santificação e submissão à vontade de Deus. (Mc 10:45; *II Co 5:17-21; Ef 1:3-14; Tt 3:4-7; Hb 9:14-10:14; I Jo 2:2; Ap 5:9).

VIII - Da Vida Cristã
Cremos que o novo nascido, através de Jesus Cristo, é equipado com todo o necessário para agradar a Deus e andar vitoriosamente sobre o pecado por meio da fé e obediência à Palavra de Deus e submissão ao Espírito Santo. Assim, a vida cristã nos convoca à um comportamento santo, tendo em vista o desenvolvimento da nossa vida devocional, do amor ao próximo, da prática de boas obras, do exercício dos dons espirituais e do bom desempenho na batalha espiritual. Reconhecemos, ao mesmo tempo, a liberdade, no Espírito, do indivíduo nas questões controvertidas da prática cristã, dentro dos limites do Novo Testamento, sabendo que Deus age com cada um de Seus filhos de uma forma especial.(*Rm 6:3-11; 14:1-13; I Co 10:23-33; Gl 2:20; 5:18-23; *I Ts 5:23; Hb 4:12).

IX - Da Igreja (Eclesiologia)
Cremos na igreja universal, iniciada em Pentecostes, sendo o Corpo, a Noiva de Jesus Cristo, constituída por todos aqueles que são regenerados pela fé no sacrifício remidor de Jesus Cristo e portanto batizados pelo Espírito Santo no Seu Corpo. Atualmente, esta igreja pode ser constatada visivelmente na forma de igrejas locais, isto é, grupos de pessoas que confessam sua fé em Jesus Cristo, que foram batizados e que se organizaram para fazer a vontade de Deus. A Igreja neo-testamentária destaca-se pela prática da adoração, aprendizagem, comunhão e evangelização (obedecendo à Grande Comissão de Jesus Cristo - Mt 28:18-20; Mc 16:15,16), sob a liderança de presbíteros qualificados. Além disso, executa as duas ordenanças bíblicas: o batismo e a ceia do Senhor.(Mt 16:18; *At 2:42-47; I Co 1:1,2; 11:23-31; *Ef 1;22,23; I Tm 3:1-12; Tt 1:5-9).

X - Dos Anjos e dos Demônios (Angeologia e Demonologia)
Cremos na realidade do mundo sobrenatural, incluindo anjos bons que ministram(servem) a Deus e aos santos. Cremos também na realidade de Satanás e seus anjos malignos, que, no exercício de seu livre arbítrio, rebelaram-se contra o Criador, e agora dominam o mundo, agindo de modo organizado contra Deus e Seus eleitos. Estes serão punidos no lago de fogo para sempre. (Is 14:12-15; *Ez 28:12-17; Jo 14:30; II Co 4:4; *Ap 12:9,10; 20:1-5).

XI - Da Evangelização
Cremos que todos aqueles que nunca aceitaram o Evangelho de Cristo estão perdidos (condenados à separação eterna de Deus), sendo que nós temos a solene missão de pregar o Evangelho de Cristo(a salvação) a toda criatura em todo lugar. Cremos que a obra da evangelização do mundo não será consumada senão através da ação missionária, implantando igrejas locais entre todas as etnias da terra.(*Mt 28:18-20; Mc 16:15; *At 1:8;13:1-4; Rm 10:13-15).

XII - Das Ordenanças
a) Do Batismo - Cremos que o batismo cristão é a imersão do crente na água em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo para simbolizar e testemunhar publicamente sua fé no Senhor, considerando-se com Ele crucificado, sepultado e ressuscitado.
b) Da Ceia do Senhor - Cremos que a Ceia do Senhor é um privilégio somente para os crentes em Jesus Cristo, os quais no uso sagrado do pão e do vinho comemoram juntos o amor de Cristo, provado em Sua morte, devendo sempre ser precedida de um sincero exame íntimo.

Cremos que a Igreja deve praticar estas ordenanças do Senhor que transmitem ricas bençãos para o crente, porém, não são requisitos para sua salvação. (*Mt 28:18-20; 26:26-30; Mc 14:22-26; Lc 22:14-20; *I Co 11:23-26 ).

XIII - Do Fim dos Tempos (Escatologia)
Cremos na volta pessoal e visível de Jesus Cristo a este mundo para arrebatar a Sua Igreja, estabelecer o Seu Reino Milenar e finalmente reinar por toda a eternidade. Cremos também, na ressurreição corporal de todos os mortos, e que após o julgamento, os salvos irão para a vida eterna com Deus e os perdidos para a eterna separação de Deus e a condenação perpétua no lago de fogo. (*Mt 25:31-46; II Co 5:10; II Ts 1:7-10; Ap 19:7-9; *20:1-15; *22:1-5 ).